Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Caos

06.11.21, MM
Na minha tempestade eu acordei o vento E no meio da saudade eu parei o tempo Eternizei-o numa caixa de pandora E sem tempo, esqueci-me de viver “o agora”   Despertei fúrias exorcizadas em sentimentos ocos Perdi-me em estradas de encruzilhadas tresloucadas Gritei aos sete ventos na terra dos loucos Palavras atormentadas em dizeres taralhoucos   Desmaiei sobre a terra batida, abatida, tingida O meu corpo, a minha alma, a minha força de viver Deixei-me consumir pelas trevas delirantes Desafi (...)

Momentos de solidão

23.10.21, MM
Pressinto na brisa eletrizante a tempestade a chegar Nuvens aglomeram-se como guerreiros desafiadores Trespassando as altas montanhas com se fossem gladiadores Pequenos remoinhos fazem as folhas vibrar E as afoitas formigas correm, correm sem parar Sabem os segredos do tempo, sabem bem o que se vai passar E eu, contemplo o avermelhado majestoso do céu Que em breve estará coberto do negro véu   A noite escurece no silêncio temerário da solidão  Onde as brumas do deserto invadem o (...)

15 minutos

27.07.21, MM
  15 minutos Foi o tempo que demoraste a responder ao e-mail que te enviei.  Sabes, os meus filhos “gozam” comigo por ninguém fala por e-mail hoje em dia, e no entanto, foi o único sítio onde não me bloqueaste, como se pretendesses deixar uma porta entre-aberta, uma forma pouco ortodoxa de não quebrar definitivamente a nossa ligação. Tinham passados 15 dias e eu não resisti a saber de notícias tuas. Não consigo, é mais forte do que eu. Estranho-me no trabalho, nos filhos, (...)

Tem dias!

18.07.21, MM
  Tem dias que parecem intermináveis  Horas que não passam, tornam-se infindáveis E eu só queria adormecer os pensamentos Pausar os meus tormentos E nos crivos do tempo Perder-me no silêncio Dos gritos que que da minha alma brotam Dos sussurros que a minha paz boicotam Em melodias que já não encantam Choros agonizados, perpetuados...   Tem dias!  Responde a alcoviteira de forma sorrateira De quem tem tudo mas nunca soube o que era ser amada Esboça um sorriso escondendo uma (...)

Promessas quebradas

30.04.21, MM
  E nas promessas quebradas Que fizemos ao luar Houve um beijo que morreu Sem nunca nos teus lábios tocar   E se nas complexas linhas do tempo Fosse possível reescrever a história Tal como o tecelão define o momento Corta a linha, cria uma nova memória  Esculpida em campos floridos, e nós a correr Tal Adão e Eva no paraíso, sem juízo Percorrer o teu corpo, dar-te prazer Em viagens alucinantes, turbinantes   Se eu pudesse manipular a matéria Entrar em ti numa qualquer artéria (...)

Destino ou acaso?

15.04.21, MM
  Não sei como descrever ao que por norma se designa com o nome de destino, nem mesmo a suposta razão da passagem do tempo.  Destino: “Combinação de circunstâncias ou de acontecimentos que influem de um modo inelutável. = FADO, FORTUNA, SINA, SORTE” Tempo: "Série ininterrupta e eterna de instantes"   Acordei a meio da noite completamente mal disposto e com uma daquelas dores de cabeça horríveis. Reflexos físicos dos estados de ansiedades e dos nervos, aos quais tinha (...)

Tic tac tic tac

01.12.20, MM
    Tic tac tic tac Som estridente marcando o compasso Relógio antigo numa casa assombrada Ecos repetidos propagados pelo espaço  Vibrações amedrontadas no embaraço Visões de uma alma enfeitiçada   Tic tac tic tac Passadas largas dos cavalos alados Que na noite escura iluminam o sombreado Turbulências em aliterações desnorteados Gritando sonidos pelos receios provocados   Tic tac tic tac Ressoar audível do bater do coração Vivaz, audaz, perspicaz, sagaz Repleto de (...)

Tempo

28.11.20, MM
Memórias perdidas no outro tempo... um tempo em que havia tempo para tudo mas urgência em vive-lo rapidamente, intensamente, em que chegar à fase adulta era quase sinonimo estereotipado de que o tempo seria apenas para a casa, para a família... de um certo prisma isso acaba por acontecer... hoje vejo tempo fugir-me das mão na sub-carga que os encargos me obrigam... mas quando tenho tempo... quando me liberto de todas as amarras, de todas as responsabilidades...  nessa altura (...)