Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Olhos castanhos

16.07.22, MM
  Um dia seremos meros estranhos Sentados numa paragem de autocarro Vais ignorar os meus olhos castanhos Que um dia tanto quiseram-te amar E que hoje, são apenas memórias de barro   Um dia seremos meros estranhos Passeando numa qualquer avenida Corpos ignorando antigos desejos Vivências esquecidas de profundos latejos Guardados no fundo de uma arca esquecida   Um dia seremos meros estranhos  Vagueando num areal junto ao mar Corpos desnudados libertando erotismo Paixão ardente sem (...)

Passageiros

13.01.22, MM
Somos passageiros de um tempo que não passa Prisioneiros no tempo que por nós já passou Perdidos na escrita da nossa própria farsa Chorando tristemente por quem um dia nos abandonou   Contemplamos impávidos e serenos as marcas do rosto Lágrimas tatuadas por quem um dia partiu, que não ficou Mágoas amealhadas num coração em desgosto Frio gélido em pleno mês de agosto E eu aqui, agarrado ao ínfimo que me restou   Somos passageiros de um tempo que não passa Saindo a (...)

Caos

06.11.21, MM
Na minha tempestade eu acordei o vento E no meio da saudade eu parei o tempo Eternizei-o numa caixa de pandora E sem tempo, esqueci-me de viver “o agora”   Despertei fúrias exorcizadas em sentimentos ocos Perdi-me em estradas de encruzilhadas tresloucadas Gritei aos sete ventos na terra dos loucos Palavras atormentadas em dizeres taralhoucos   Desmaiei sobre a terra batida, abatida, tingida O meu corpo, a minha alma, a minha força de viver Deixei-me consumir pelas trevas delirantes Desafi (...)

Tem dias!

18.07.21, MM
  Tem dias que parecem intermináveis  Horas que não passam, tornam-se infindáveis E eu só queria adormecer os pensamentos Pausar os meus tormentos E nos crivos do tempo Perder-me no silêncio Dos gritos que que da minha alma brotam Dos sussurros que a minha paz boicotam Em melodias que já não encantam Choros agonizados, perpetuados...   Tem dias!  Responde a alcoviteira de forma sorrateira De quem tem tudo mas nunca soube o que era ser amada Esboça um sorriso escondendo uma (...)

O que ouves no teu silêncio?

11.05.21, MM
  Quando o absoluto silêncio se instala, o que ouves? O palpitar revigorante do coração? Os pensamentos intrínsecos da alma? Ou apenas o vazio? Diz-me… Tu que tens certezas inabaláveis  Portadora de conhecimentos inigualáveis Vivências de sabedorias inimagináveis  Dogmas de verdades invioláveis Quando o silêncio se instala, o que ouves?   Mas será que sabes mesmo?  Como podes saber se não vives o que sinto Se apenas tens a teoria estereotipada Descrita em livros em (...)