Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Palavras perdidas

01.04.24, MM
Escrevo nas entrelinhas da alma Sentimentos oriundos do coração E como um bom vinho que se degusta com calma Doo o corpo à liberdade Serenidade, libidinosidade Aromas despertados ao sabor da paixão Numa noite ao luar Numa cama feita de areia do mar   Deixo fluir a tinta em papiros encantados Sílabas estonteantes em corpos enfeitiçados Eloquências perdidas no teu terno olhar Que um dia me fez encantar Sonho adormecido perdido no teu sorriso Fazendo a minha pele arrepiar E no meu (...)

Entre a vírgula e o ponto final

21.01.24, MM
Escrevo-te o poema que te queria declamar  Palavras sentidas em noites despidas Caminho nas ruas encharcadas sem luar E no silêncio absoluto só me apetece o teu nome gritar   Gira o mundo na minha cabeça ao contrário Flui no meu sangue a poesia enclausurada Sentimentos escondidos que nunca saíram do meu diário Vivendo em receios da tua amizade um dia perder Ansiedades de nos meus braços nunca te vir a ter E eu sigo caminhando De alma desarmada Implorando aos deuses que sejas um (...)

Meu poema

03.12.23, MM
Vem descansar no meu poema Feito de flores e colibris Perfume de colo e alfazema Onde a vida é mais que um teorema Repouso aconchegante onde sempre sorris   Vem mergulhar no meu poema Águas límpidas onde podes ser tu própria Absorver todas as palavras em tua glória Reescrever a tua história De alma nua Até tornares a estrada tua   Vem embriagar-te no meu poema Sílabas tontas e delirantes Contornos de linhas que te fazem sentir mulher E no jogo do bem-me-quer, mal-me-quer Mudas o (...)

Ele e ela

05.10.23, MM
Ele escrevia, ela lia Mas num universo perfeito Nem tudo era o que parecia   Ele escrevia sentimentos em forma de poesia E mesmo sem distinguir o predicado do sujeito Murmurava nela tudo o que a sua caneta descrevia    Ela lia romances em forma de fantasia Casualidades onde tudo parecia suspeito Desvendando os mistérios das cortes e da monarquia   Ele narrava tudo aquilo que sentia Palavras projetadas de um qualquer parapeito Sílabas tontas perpetuadas numa linda sinfonia   Ela (...)

Entre o rio e poesia

10.08.23, MM
Entre o rio e a poesia que te escrevo Moram sentimentos que declamá-los eu não me atrevo Fragrâncias emanadas pelo meu coração  Propagadas no encanto do teu jardim Simbiose perfeita entre amor e paixão E o desejo de te ter nos meus lençóis de cetim   Esvoaçam borboletas saídas de parte incerta Rumam ao horizonte do teu terno olhar Transportam sonhos de uma janela entreaberta Melodias silábicas escritas em papiros de encantar Eu e tu Tu e eu Corpos dançando numa pauta musical Evocand (...)

Palavras singelas

16.04.23, MM
diz-me o que entendes por amor que de amor eu não entendo nada aguardo a chegada da noite escura  mas só ouço o silêncio da madrugada e ela apenas mostra-me a dor que no tempo grava e perdura   fala-me dos teus singelos sentimentos das tuas tardes passadas à beira-mar a ouvir os conselhos que ele tem para te dar são apenas maresias envolta em dias cinzentos que invadem o meu dia mundano palavras projetadas num tempo insano   confessa-me os teus amores antigos paixões (...)

Primavera, poesia e esperança

29.03.22, MM
E se o mundo da primavera fizesse esperança  E o sonido das armas fosse o riso de uma criança E se as palavras proferidas fossem apenas poesia Escrita nas entrelinhas nas ordens demandadas Canhões mágicos disparando apenas fantasia Corações atingidos por balas extravasadas Feitas de amor e alegria   E se o perfume da primavera chegasses aos corações Inércias de quem mata desconhecendo as razões Vidas desfeitas, almas imperfeitas Obscurantismo, sonambulismo, fanatismo E onde (...)

Palavras soltas

22.11.21, MM
Quero sentir a poesia a correr-me nas veias Fervilhando emoções enredadas nas suas teias Palavras renascidas das cinzas e no fogo forjadas Voando livremente em quadras não cruzadas E que importa se não rimar Que interessa se na métrica não ficar Eu só quero escrever palavras que façam endoidecer até adormecer Saboreá-las nos antros recônditos do prazer  Que façam sonhar, acreditar Que me façam voltar a amar...   Quero sentir-me embebido por doces palavras Embriagado nas (...)