Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

sede

07.02.24, MM
Ai se tu soubesses Deste calor que arde dentro de mim Deste sufoco que em mim encerra Devaneios perdidos em lençóis de jasmim Assim Loucuras ardentes, proeminentes De quem enterra Sem dó nem piedade No fundo da tua castidade Num rasgo de libidinosidade   Ai se tu souberes Deste meu querer de te possuir De te penetrar nos mais íntimos desejos Eloquências perdidas em mil beijos Ardentes, proeminentes Toques assanhados Corpos entrelaçados Sofreguidão, tesão Arritmias do coração   A (...)

Entre a vírgula e o ponto final

21.01.24, MM
Escrevo-te o poema que te queria declamar  Palavras sentidas em noites despidas Caminho nas ruas encharcadas sem luar E no silêncio absoluto só me apetece o teu nome gritar   Gira o mundo na minha cabeça ao contrário Flui no meu sangue a poesia enclausurada Sentimentos escondidos que nunca saíram do meu diário Vivendo em receios da tua amizade um dia perder Ansiedades de nos meus braços nunca te vir a ter E eu sigo caminhando De alma desarmada Implorando aos deuses que sejas um (...)

Cama vazia

01.11.23, MM
Sonhei Como quem vive um sonho de encantar De quem embala num abraço apertado Sentir teu corpo quente amanhecendo ao meu lado Observando hipnotizado o teu doce despertar   Viajei Pelas curvas da tua pele que se fez arrepiada Sorriso de quem sente a chama a querer acender Corpos que se desnudam num leito feito do prazer Lençóis amarrotados numa cama imaculada   Desvendei Nas linhas da minha mão todos os teus segredos Lábios percorrendo os mistérios que se querem revelar Zonas (...)

Desencanto

15.10.23, MM
Perdi-me no encanto que hoje se fez desencanto Naveguei nos mares invioláveis que se tornaram domáveis Infringi as leis do retorno e sem adorno Quebrei as leis da atração Que fiz eu meu coração? Que fiz eu meu coração…   Bati no fundo do meu ser Intermitências alucinantes entre o viver e o morrer Dor que não apazigua, insinua Num rio que corre mas não desagua Mar feito de lágrimas incandescentes Minha alma feita de estrelas cadentes Sem luz, sem rumo delineado Chorando sob (...)

Lar

06.10.23, MM
Lar é onde encontramos o nosso porto de abrigo Lar é um lugar mágico onde tudo faz sentido É ser morada na vida de outro alguém   Lar é ser pôr-do-sol quando a mágoa aperta Lar é ser arrepio quando a paixão desperta É viajar na felicidade de um vaivém   Lar não é apenas casa, é saudade de quem se ama É abraçar o infinito de quem nos quer bem E fazer das estrelas a nossa cama   Lar é abraço, é laço É aconchego, sossego É rasgar os lençóis nas noites de paixão E (...)

Abraço

06.09.23, MM
Queria fazer do teu abraço a minha morada Levar-me ao céu, chamar-te de minha amada Permanecer dentro de ti, assim Fazendo amor em lençóis de cetim E depois, abraçar-te, amar-te Permanecer em ti, em mim Aguardando na noite o fim Da espera, e quem me dera Recomeçar Regressar à madrugada Chamar-te de minha amada Reiniciar Renascer Voltar a viver Este amor em ti, sem fim Renascidos num abraço Desatar os nós, fazer um laço Reunir todos os pedaços Reconstruir o coração Sentir a (...)

Entre o rio e poesia

10.08.23, MM
Entre o rio e a poesia que te escrevo Moram sentimentos que declamá-los eu não me atrevo Fragrâncias emanadas pelo meu coração  Propagadas no encanto do teu jardim Simbiose perfeita entre amor e paixão E o desejo de te ter nos meus lençóis de cetim   Esvoaçam borboletas saídas de parte incerta Rumam ao horizonte do teu terno olhar Transportam sonhos de uma janela entreaberta Melodias silábicas escritas em papiros de encantar Eu e tu Tu e eu Corpos dançando numa pauta musical Evocand (...)

Tenho que ir

09.08.23, MM
Tenho de ir Tenho de ir ao vazio da minha alma Onde encontro pequenas coisas feitas de nada Fragmentos de raiva que se esfumaçam na minha palma E sem alma,  Vou dizendo ao mundo que espalho a felicidade Mas essa, apenas mora na minha saudade   Fechas os olhos e imaginas o meu rosto Dói menos, penso eu que talvez seja assim Deitada numa cama sem os meus lençóis de cetim Fazendo amor sem sentir este meu frenesim De percorrer o teu corpo, descobrir os teus segredos E em cada beijo (...)

Agosto

02.08.23, MM
Hoje, apetecia-me sentir o teu doce abraçar Como quem abraça a eloquência das noites perdidas Efervescências que fazem o meu coração suspirar Noites quentes, amores ao luar Cabelos ao vento sentindo a brisa do mar Respirações ofegantes em almas despidas Histórias vividas em vielas escondidas   Hoje, apetecia-me invadir as saliências do teu corpo arrepiado Corpos entrelaçados em melodias de encantar Danças eloquentes em desejos que se querem libertar “mais duas bebidas por (...)

a sós II

16.07.23, MM
Sais do banho com o intenso cheiro a ti Desejo insano que me consome De quer matar esta minha fome De ti, de nós, num quarto a sós Em lençóis de cetim, que festim!   Deambulas pelo meu imaginário Calção curto que me consome a alma Que tesão, que sensação E eu já só tento raciocinar com calma Mas os olhos não traem, não mentem Espelham a tua libidinosidade Devassa paixão Que me encandeia, que me incendeia Perfume que fica no ar De banho acabado de tomar Cabelos molhados  S (...)