Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Esperanças

14.11.21, MM
  Tudo o que eu queria era contigo estar Uma noite ao luar De mãos dadas e abraçar Perdido no teu olhar (Recomeçar...)   Mais um dia, mais um ano que passou e eu sem estar contigo Tanto que eu lutei para ser mais que um amigo Mas tu foste embora e eu fiquei de coração partido Na impossibilidade de vivermos este amor proibido   Regressei aos lugares que me fizeram apaixonar Sentimentos numa alma em chamas que agora tento serenar Mais uma volta, mais um pensamento do teu terno olhar Imaginári (...)

Penso em mim, penso em ti, penso em nós

02.09.21, MM
    Mergulho nas densas manhãs submersas Penso em mim, penso em ti, penso em nós Promessas trocadas em loucas conversas Toques na alma embalando o suave adormecer Lembranças eternizadas nos momentos a sós  E nós, ousando um amor proibido viver   Sinto saudades de mim, de ti, de nós  Secretos desejos vividos num mundo atroz  Perdidos na infinidade do tempo latejante Ora felicidade, ora agonia, ora saudade Sentimentos feridos num vento cortante Abafando o grito da minha voz   A (...)

Ser pai!

20.03.21, MM
por vezes ser pai é um murro no estômago arrancado a ferros no seu mais profundo âmago é ser impotente perante as adversidades olhar para os filhos sem mostrar fragilidades porque um homem não chora... não chora? que ideia mais estereotipada, enraizada “bruta-montes” sem sentimentos “papões” que apenas causam medos aos olhos da sociedade que apenas assim consideram um pai de verdade… mas ser pai é muito mais que isso não é fazê-los e depois dar “chá de sumiço" (...)

Beijo na face

18.03.21, MM
... não foi apenas um simples beijo dado na face... foi a sensação de quase sentir o sabor dos teus lábios, o teu cheiro, a delicadeza da tua pele, o palpitar do teu coração...    Ai se aquele singelo beijo falasse e pudesse contar o turbilhão de emoções provocadas por todo o meu corpo, se pudesse contar a violência com que se entranhou no coração que imperativamente despoletou uma tórrida paixão, que me fez viajar por entre eloquências proibidas, por desejos (...)

A tua mensagem

12.03.21, MM
É mais uma noite nefasta. A ausência de notícias tuas correi-me por dentro, entranha-se num sufoco perpetuado, numa arritmia que me deixa à beira da loucura. Nem mesmo o aconchego dos cobertores, ainda com o cheiro de acabados de lavar, sossega o ímpeto de ter notícias tuas, nesta minha ânsia insaciável de querer estar contigo.  Fecho os olhos mas o sono não aparece. Provavelmente perdeu-se no meio da tempestade que ocorre lá fora, onde a chuva cai compulsivamente, rivalizando (...)

Recordação

10.02.21, MM
  São sonhos de outros tempos Vividos naqueles eternos momentos E que hoje viraram meras memórias   Foi um tempo que já passou E de nós nada restou A não ser a própria história   E quando aquela saudade apertar Lembra-te do que fez mudar E que hoje é apenas uma recordação Bem trancada no fundo do coração   E se der vontade de chorar Deixa as lágrimas cair São vivencia encantadas ao luar Que um dia fizeram sorrir   São sonhos de outros tempos Aprisionados em sentimentos D (...)

Liberdade

30.01.21, MM
Desperto em mim silêncios à muito adormecidos Embalados na trágica melodia do quotidiano Correrias que acabam por afogar os sentidos Vagueando num qualquer centro urbano Hoje dei liberdade aos pensamentos da alma Doces memórias que me devolvem a calma Extravagâncias nos tempos modernos Mergulhados em longos invernos Aprisionados nos próprios infernos   Olhando o horizonte ouço a consciência Que me fala de lugares inimagináveis Águas cristalinas em luminescência Protegidas (...)

Tempo

28.11.20, MM
Memórias perdidas no outro tempo... um tempo em que havia tempo para tudo mas urgência em vive-lo rapidamente, intensamente, em que chegar à fase adulta era quase sinonimo estereotipado de que o tempo seria apenas para a casa, para a família... de um certo prisma isso acaba por acontecer... hoje vejo tempo fugir-me das mão na sub-carga que os encargos me obrigam... mas quando tenho tempo... quando me liberto de todas as amarras, de todas as responsabilidades...  nessa altura (...)