Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Palavras soltas

22.11.21, MM
Quero sentir a poesia a correr-me nas veias Fervilhando emoções enredadas nas suas teias Palavras renascidas das cinzas e no fogo forjadas Voando livremente em quadras não cruzadas E que importa se não rimar Que interessa se na métrica não ficar Eu só quero escrever palavras que façam endoidecer até adormecer Saboreá-las nos antros recônditos do prazer  Que façam sonhar, acreditar Que me façam voltar a amar...   Quero sentir-me embebido por doces palavras Embriagado nas (...)

Liberdade dos amantes

25.04.21, MM
Houve um tempo de sentimentos aprisionados Que dos corações não podiam ser libertados Viviam constrangidos condenados à agonia Mergulhados num poço de água fria Nas areias do tempo enclausurados   Houve um tempo de amores proibidos Olhares caídos, sorrisos entristecidos Sufocados em palavras silenciadas Murmúrios em lágrimas derramadas Que em rios de silêncios ficaram detidos   Houve um tempo em que tudo mudou O adormecido coração finalmente despertou Dos confins do universo (...)

Liberdade

30.01.21, MM
Desperto em mim silêncios à muito adormecidos Embalados na trágica melodia do quotidiano Correrias que acabam por afogar os sentidos Vagueando num qualquer centro urbano Hoje dei liberdade aos pensamentos da alma Doces memórias que me devolvem a calma Extravagâncias nos tempos modernos Mergulhados em longos invernos Aprisionados nos próprios infernos   Olhando o horizonte ouço a consciência Que me fala de lugares inimagináveis Águas cristalinas em luminescência Protegidas (...)

Ano Novo!

01.01.21, MM
Que seja um ano de loucos poetas De sentimentos desvairados, alucinados Embriagados em segredos por desvendar Histórias de amor e de paixões secretas De inspiração, sedução, de sentir na pele aquela sensação Eloquências permitidas em mentes abertas Que deixam a escrita fluir, emergir Palavras soltas, doidas varridas Deambulando por zonas proibidas Percorrendo suavemente as entrelinhas E em terreno fértil deixando suas grainhas   Que seja um ano extravasado Proeminente e de (...)

Se alguém perguntar por mim

08.12.20, MM
  Se alguém perguntar por mim Diz apenas que talvez ande por aí Feito folha caída outonal  Esvoaçando livremente no temporal Talvez até possa andar molhado Talvez digam que fui contrariado Entre ventos rasgados ou perdido na lamaçal Mas não sei se estarei assim tão mal   Pouso em sorrisos ardentes Escondendo almas dormentes Corpos que se beijam  Em corações ausentes Olhos que brilham em pensamentos distantes Daqueles que desejavam ser amantes   Se perguntarem por mim Talvez (...)