Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Silêncio da noite

19.10.21, MM
  Pessoas vivem alegremente de forma solitária Trancando os sentimentos numa presidiária Professam aos sete ventos que são independentes Que não precisam de ninguém, que não estão carentes   Pessoas vivem tentando manter um casamento Falsas aparências numa relação sem alento Fazem-no pelos filhos que são o mais importante O amor ardente, esse, tornou-se insignificante   Pessoas vivem atarefadas entre sonhos e ilusões Enterradas em projetos e novas ambições Sem tempo para (...)

Somos pedaços de tudo, pedaços de nada

12.10.21, MM
Somos pedaços de tudo, pedaços de nada Forças imbatíveis da natureza caídos em terra molhada Lamaçal, pantanal, areias movediças Absorvendo o bem e o mal Simbiose entre deus, homem e o animal Força bruta emanada em pele de cristal Guerreiros invencíveis em almas quebradiças   Somos corpos perfeitos suportando corações fragmentados  Seres cósmicos vagueando em sentimentos desalentados Almas perdidas, vencidas, escondidas em fantasias pervertidas Satisfazendo egos em (...)

E os ventos já não sopram...

27.08.21, MM
E os ventos já não sopram Barcos já não vão para o mar Velas já não são içadas Esmorece-se na maresia o olhar   E os ventos já não sopram No horizonte não há poeira no ar Silêncios dormentes que sufocam Almas que não conseguem acalmar   E os ventos já não sopram Já não fazem o balão voar Olhar triste de uma criança  Perdida em sonhos de encantar   E os ventos já não sopram Aprisionados em redemoinhos e furacões Tornados transformados em ilusões Deuses (...)

Vida

10.07.21, MM
  De que vale uma vida Se não for vivida e envolvida Nos braços da pessoa amada?   De que vale um sonho Se não for partilhado e concretizado Com quem se está apaixonado?   Há pessoas vivem uma vida inteira Agarradas a uma qualquer parceira Sem coragem para conseguir mudar Sem vontade de ao amor se entregar   Passam os dias em simpatia Forçando prazer e empatia Amizades disfarçadas de casamento Muito carinho mas pouco alento Em palavras ocas sem brilho no olhar Quando tentam (...)

Abismo

27.05.21, MM
  Contemplo no horizonte o meu abismo Emaranhado em teias de psiquismo  Penetro nas tormentas da minha alma Entro, saio e vou fluindo E nas torrentes turvas onde não há calma Há uma paz interior me seguindo   Mergulho num mar de papoilas  Sem atrever-me a provar do seu chá  Mas a hipnose já está dentro de mim Entranhada no seu perfume a jasmim E apenas digo ya ya ya Só apenas balelas cantadas em becos e vielas Corpos profanados em camas de cetim E eu aqui estou assim assim Con (...)

Longa se torna a espera

13.05.21, MM
Longa se torna a espera Que insiste em desesperar Por um momento tonto Feito ilusão, feito quimera Não é história, não é conto É uma alma a definhar   Longa se torna a espera Dos dias que insistem em não passar Das nebulosas noites sem luar Dos “ses” e dos “quem me dera” Sonhos que não viram realidade Corações que ficam na saudade   Longa se torna a espera Prenúncios de uma vida austera Olhar o oceano sem sentir o cheiro a mar Chuva que cai sem saber se está a molhar Primave (...)

O que ouves no teu silêncio?

11.05.21, MM
  Quando o absoluto silêncio se instala, o que ouves? O palpitar revigorante do coração? Os pensamentos intrínsecos da alma? Ou apenas o vazio? Diz-me… Tu que tens certezas inabaláveis  Portadora de conhecimentos inigualáveis Vivências de sabedorias inimagináveis  Dogmas de verdades invioláveis Quando o silêncio se instala, o que ouves?   Mas será que sabes mesmo?  Como podes saber se não vives o que sinto Se apenas tens a teoria estereotipada Descrita em livros em (...)

Ilusões da vida

29.04.21, MM
    Não vivas o que podia ter sido Vive o que ainda pode vir a ser Nesta vida ninguém está condenado A viver apenas para sofrer    Falam dos amantes que se envolveram em noites de loucuras Mas ninguém quer falar das relações vividas de amarguras Das ilusões esfriadas nos quentes corações Dos sonhos que um dia viraram desilusões   Julgamos que a cruz temos de carregar Por escolhas do longínquo passado Prisioneiros de barcos sem timoneiros Águas evaporadas num qualquer chuveiro Perdidos em lágrimas de desencanto

partir...

25.01.21, MM
Já fui mar… hoje sou maresia Nevoeiro serrado na tempestade Vivo refugiado na minha poesia Que te encantou um dia Mas que hoje mora na saudade   Já fui sedução… o eleito do teu coração Hoje sou apenas ilusão, desilusão Sabor amargo do fruto da paixão   Já não esvoaçam borboletas no meu jardim Nem invado os teus sonhos em lençóis de cetim Já não trocamos mensagem de fazer as estrelas corar Em juras de amor de para sempre te amar   Hoje parto no meu caminho sem olhar (...)