Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

sede

07.02.24, MM
Ai se tu soubesses Deste calor que arde dentro de mim Deste sufoco que em mim encerra Devaneios perdidos em lençóis de jasmim Assim Loucuras ardentes, proeminentes De quem enterra Sem dó nem piedade No fundo da tua castidade Num rasgo de libidinosidade   Ai se tu souberes Deste meu querer de te possuir De te penetrar nos mais íntimos desejos Eloquências perdidas em mil beijos Ardentes, proeminentes Toques assanhados Corpos entrelaçados Sofreguidão, tesão Arritmias do coração   A (...)

Meu poema

03.12.23, MM
Vem descansar no meu poema Feito de flores e colibris Perfume de colo e alfazema Onde a vida é mais que um teorema Repouso aconchegante onde sempre sorris   Vem mergulhar no meu poema Águas límpidas onde podes ser tu própria Absorver todas as palavras em tua glória Reescrever a tua história De alma nua Até tornares a estrada tua   Vem embriagar-te no meu poema Sílabas tontas e delirantes Contornos de linhas que te fazem sentir mulher E no jogo do bem-me-quer, mal-me-quer Mudas o (...)

Vento do Norte

25.06.23, MM
Vou vivendo em fogo cruzado Chamas ardentes que teimam em queimar Pensamentos que alucinam no coração E eu sem noção Sigo caminhos desnorteados Tentando a absolvição alcançar Mas não me assiste a razão E eu vou vivendo em sentimentos ostentados Que não consigo controlar    Talvez o meu destino esteja trilhado Talvez o vento do norte esteja delineado   Caio, levanto e teimo em continuar No horizonte há sempre alguém com aquele olhar Fogosidades de quem me tenta intimidar Mas (...)

Erotismos - Abraço-te por trás

14.06.23, MM
Abraço por trás. Nesse momento quebro todas leis físicas do universo. Ouso desafiar a forte química que existe entre nós.  Tudo começa quando nos encontramos num mero acaso da vida, ou talvez não, talvez estivesse mesmo escrito nas entrelinhas de um destino forjado em papiros mágicos desde o início dos tempos imemoriais. A ideia é bem simples, bebermos qualquer coisa refrescante naquele fim de tarde quente. Mas “simples”, foi sempre um conceito complicado entre nós, e essa (...)

Perdoa-me

27.04.23, MM
Desculpa se não te estou a falar Mas dói demais a tua ausência Alma cortada quando chega a nortada E na noite escura brilha em mim a tua essência Que não me deixa adormecer Que me impede de te esquecer   Perdoa-me se as minhas mensagens não chegam ao destino Escrevo, apago, sem coragem de as enviar São as mais belas palavras saídas do coração Mas fico-me pelo meu desatino Lágrimas que no rosto não querem secar Sentimentos puros de amor e paixão   Desculpa, se eu tiver que (...)

Palavras singelas

16.04.23, MM
diz-me o que entendes por amor que de amor eu não entendo nada aguardo a chegada da noite escura  mas só ouço o silêncio da madrugada e ela apenas mostra-me a dor que no tempo grava e perdura   fala-me dos teus singelos sentimentos das tuas tardes passadas à beira-mar a ouvir os conselhos que ele tem para te dar são apenas maresias envolta em dias cinzentos que invadem o meu dia mundano palavras projetadas num tempo insano   confessa-me os teus amores antigos paixões (...)

Erotismos - lábios com lábios

15.04.23, MM
Entrelaço os meus dedos nos teus dedos suados Língua desenlaçada na tua pele arrepiada Suave deslizar em segredos por desvendar Sangue que fervilha no coração em ardente paixão Que tentação! Deixar a alma do desejo vaguear sob o teu corpo desnudado E a lua? Sussurra-me que estás de alma nua Luz lunar desvendando os caminhos que devo traçar Trilhos percorridos em leviandade Contorcionismos ritmados na tua sensualidade   Lábios com lábios  Língua com língua Beijar, (...)

Coisas do coração

02.04.23, MM
Escrevo razões que o meu coração desconhece Palavras envoltas na densa maresia Que me amaria? Vida minha que na passagem do tempo desvanece   São amores de outros tempos, de outros lugares Cantigas de amigo que só de amigos não se querem fazer Querem o encanto do carnal prazer Amantes ancestrais que se emaranham em outros mares   Escrevo palavras, sílabas tónicas, atónicas, platónicas Como todos os meus amores parecem ser Mas que posso eu querer Se o meu destino parece (...)

Delírios eróticos

15.02.23, MM
Flutuo suavemente pelo inesperado Onde onde me envolvo na névoa imaginária Cenários feitos de nuvens de algodão Que sensação! Penetrar nos desejos de uma alma incendiária Consumida pelo fogo da paixão Vivências cometidas no pecado   Continuo mais um pouco no meu delírio hipnótico Perdido nas curvas imaginadas do teu corpo desnudado Olho o céu e já está aluado E eu completamente excitado De tanto querer o teu toque carinhoso Surfando nas ondas da minha pele arrepiada E eu (...)

Cafés

05.02.23, MM
Sempre achei que os cafés eram estabelecimentos de tramas, de dramas, de conspirações e secretas paixões. Lugares onde as histórias mais rocambolescas ganham vida para além da própria vida, uma espécie de antecâmara para os acontecimentos que ainda estão para vir, planeados meticulosamente ao pormenor. Espaços feitos de partículas omnipresentes que descodificam até os mais íntimos pensamentos, os olhares mais indiscretos, as reações mais camufladas. Muitas vezes (...)