Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Tempestade

14.09.22, MM
Chove torrencialmente Águas furiosas trazidas pelo vento Suposições nefastas assolam o meu pensamento Deuses irados lançando o veneno da serpente Que visão proeminente Caos instalado num vazio inusitado Apocalipse afogado num mar turbulento Ilusões de óptica perdidas em pecado  Mas o coração não mente São lágrimas de sofrimento, sem alento Ausências tuas no meu acordar Aguardando uma mensagem tua Que tarda em chegar Numa manhã sem sol, sem madrugada Nem pássaros a cantar A (...)

Ausência

22.08.22, MM
Escrevi os nossos nomes na areia E pedi ao mar para os levar Até ti, à tua presença Mas partiste para outro lugar Onde não te consigo encontrar E no abafado horizonte, apenas a tua ausência Que me dilacera o coração De não te ter, aqui, ao pé de mim De mãos dadas, a passear por um qualquer jardim   Escrevi os nossos nomes na areia Na esperança de te ver Qual deusa, qual ninfa, qual sereia Quimera perdida na maresia Esfumaçando dentro do meu ser De tanto te quer, assim, para mim (...)

Desde quando

28.07.22, MM
Desde quando é que tens medo Desde quando o nosso amor virou segredo Desde quando perdemos a inocência E os mais puros sentimentos viraram indecência   Desde quando achas que universo nos separou Se as nossas almas se continuam a amar Os deuses dizem que a nossa história ainda não acabou E nas estrelas está escrito que juntos vamos ficar   Desde quando deixei de fazer parte dos teus pensamentos E jogaste as nossas promessas de amor aos sete ventos Murmurávamos ao tempo que juntos (...)

Roda-viva

30.05.22, MM
Já faz algum tempo que simplesmente não consigo vir aqui, nem a este meu pequeno espaço, que também é o meu porto de abrigo, nem espreitar outras leituras que tanto me inspiram, mas recentemente a minha vida tornou-se numa roda-viva de emoções. Se os primeiros meses foram pautados por uma constante rotina frenética, em que os acontecimentos mais relevantes eram pautados pela nova  localização de um jogo ou peça de teatro. Ou seja, tudo em torno dos filhos. Acordar os (...)

Melancolias

19.12.21, MM
Aguardo apático a chegada dos primeiros raios de sol. Sei que romperão por entre as estreitas fissuras dos estores que mantêm o meu quarto escuro, frio, na melancolia das noites vazias de essência, de vida, do amor. Tudo me parece tão previsível, tal qual um qualquer guião escrito a conta-gotas, pausado, reflexo dos eternos dias passados em tons cinzentos. Aconchego-me a um canto da minha imensa cama. “para que tanto espaço?” questiono-me impacientemente enquanto volto a (...)

Ausências, intermitências, delinquências

01.07.21, MM
  Ausências, intermitências, delinquências Divagações vãs do meu estado de espírito Em clausuras trancado aguardando o veredito Qual pecado capital possa ter cometido Nesta ânsia que não me deixa viver Nesta agonia que só me faz sofrer   Como posso eu escrever sem musa de inspiração? De que vale os acordes de uma canção Sons chorados da minha singela viola Em perfumadas serenatas tocadas ao luar Se nem a minha alma consola Se nem a minha música te faz apaixonar   Debruç (...)

Ausência

11.04.21, MM
E quando não tenho notícias tuas O mundo parece não girar A vida dá voltas ao contrário Falta o tempero do amor Falta o combustível da alma E no meio de tanta dor Nem os poemas parecem rimar   Ansiedades tomam conta do meu ser Desesperos embebidos no meu sofrer Dia lindo e eu aprisionado na solidão Pássaros que se esqueceram de cantar E nem mesmo a “minha” floresta de encantar Consegue apaziguar os dramas do coração   Dizem que o tempo tudo cura Que tenho que dar novas (...)