Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Insanidades

06.04.24, MM
Acordo estremunhado ao som da chuva que cai copiosamente. Forço novamente o sono mas a espertina já se tinha instalado. No meu pensamento apenas surge a tua imagem e o meu desejo de te ter aqui. Dou voltas na cama como se procurasse o calor do teu corpo, como quem procura a serenidade de um abraço aconchegante, daquele beijo carinhoso. O barulho de um carro a trabalhar na rua interrompe os meus pensamentos e questiono-me que horas serão. Seis da manhã e já há quase uma hora que me (...)

Palavras perdidas

01.04.24, MM
Escrevo nas entrelinhas da alma Sentimentos oriundos do coração E como um bom vinho que se degusta com calma Doo o corpo à liberdade Serenidade, libidinosidade Aromas despertados ao sabor da paixão Numa noite ao luar Numa cama feita de areia do mar   Deixo fluir a tinta em papiros encantados Sílabas estonteantes em corpos enfeitiçados Eloquências perdidas no teu terno olhar Que um dia me fez encantar Sonho adormecido perdido no teu sorriso Fazendo a minha pele arrepiar E no meu (...)

Poesia primaveril

27.03.24, MM
Sinto na minha poesia o aroma primaveril Flores que brotam em cada verso E no encanto do inverso Sinto o coração a palpitar   Pássaros que regressam ao seu eterno lar Prenúncios escritos em histórias de encantar E em cada amanhecer Há um novo rescancer De um novo verso a declamar De amor, pois claro! Que a vida por vezes é feita de dor Mas o que escrevo, versa o verbo amar!   Sinto o sangue a fervilhar em cada poema Perfume exótico que paira no ar Borboletas no estômago virando (...)

Dilemas e poemas

17.03.24, MM
Sou feito de poemas Retratos de uma vida passada Memórias à beira da autoestrada A ver a vida passar   O caminho está tão perto De me salvar da minha salvação Mas estou preso ao coração  De quem não sabe se há de ir ou ficar   E assim prossigo entre poemas Caminhos trilhados entre dilemas Sentimentos enclausurados há muito tempo Fragmentos de mim  Pensamentos envolvidos em lençois de cetim Fantasias que nunca passaram de um contratempo    Embriago-me em mais um poema Sí (...)

sede

07.02.24, MM
Ai se tu soubesses Deste calor que arde dentro de mim Deste sufoco que em mim encerra Devaneios perdidos em lençóis de jasmim Assim Loucuras ardentes, proeminentes De quem enterra Sem dó nem piedade No fundo da tua castidade Num rasgo de libidinosidade   Ai se tu souberes Deste meu querer de te possuir De te penetrar nos mais íntimos desejos Eloquências perdidas em mil beijos Ardentes, proeminentes Toques assanhados Corpos entrelaçados Sofreguidão, tesão Arritmias do coração   A (...)

Entre a vírgula e o ponto final

21.01.24, MM
Escrevo-te o poema que te queria declamar  Palavras sentidas em noites despidas Caminho nas ruas encharcadas sem luar E no silêncio absoluto só me apetece o teu nome gritar   Gira o mundo na minha cabeça ao contrário Flui no meu sangue a poesia enclausurada Sentimentos escondidos que nunca saíram do meu diário Vivendo em receios da tua amizade um dia perder Ansiedades de nos meus braços nunca te vir a ter E eu sigo caminhando De alma desarmada Implorando aos deuses que sejas um (...)

No meu canto

29.12.23, MM
E no meu canto eu canto o encanto que me fez encantar Sou força de um tornado embalado na brisa do mar Que um dia se perdeu no teu olhar Terno, meigo, sedutor Que á primeira vista se tornou amor   E no meu canto eu planto as sementes que se querem enraizar Fruto proibido que um dia ousei amar Toque no rosto, suspiro, pele a arrepiar Corpo ardente, quente Ensejos dos teus lábios beijar   E eu no meu canto suspiro, deliro, uivo ao luar Agradeço em verso ao universo que me fez te encontrar Es (...)

Ficarei...

14.12.23, MM
Voltarei sempre nas noites de luar Alumiando por entre as trevas o teu caminho Luminescências cintilantes quando te vais deitar Viagem pelo mundo dos sonhos em tons de azul-marinho   Regressarei sempre no chilrear dos pássaros cantantes Absorvendo as tuas lágrimas caídas em lençóis dormentes Choros sufocados de um amor ausente Vida sofrida por quem não está presente   Reaparecerei nas noites frias de inverno Quando os cobertores forem insuficientes  Serei o aconchego que (...)

Murais

11.12.23, MM
Eu queria encontrar O amor em todas as avenidas Porque os corpos já só se deleitaram Embriagados na voz rouca dos ardinas Já não há mais sedução Para conquistar um coração Vale o ouro da glória Vendido á tentação Mas isso é uma outra história Que já ninguém quer contar Vivem do amor escrito em murais Partilhado exaustivamente em redes sociais   Eu queria viver Um amor como nos contos de fadas Mas “fadar” virou esquema De qualquer pessoa pouco amada E quem não entra (...)