Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Palavras perdidas

01.04.24, MM
Escrevo nas entrelinhas da alma Sentimentos oriundos do coração E como um bom vinho que se degusta com calma Doo o corpo à liberdade Serenidade, libidinosidade Aromas despertados ao sabor da paixão Numa noite ao luar Numa cama feita de areia do mar   Deixo fluir a tinta em papiros encantados Sílabas estonteantes em corpos enfeitiçados Eloquências perdidas no teu terno olhar Que um dia me fez encantar Sonho adormecido perdido no teu sorriso Fazendo a minha pele arrepiar E no meu (...)

Noite

19.11.23, MM
Carrego na noite densa as ânsias ancestrais Murmúrios de uma alma em constante trepidação Questiono o universo desta minha agitação Mas sem solução Viajo nas minhas lembranças imemoriais   Sigo os trilhos dos meus pensamentos E em segredo vou escutando os meus lamentos Ecos de um passado que ficou por viver Densa maresia que ofusca o meu olhar Serão lágrimas? Serão gotas do mar? Serão apenas as estrelas a chorar?   A noite adensa-se na sua longitude As luzes da cidade (...)

Desencanto

15.10.23, MM
Perdi-me no encanto que hoje se fez desencanto Naveguei nos mares invioláveis que se tornaram domáveis Infringi as leis do retorno e sem adorno Quebrei as leis da atração Que fiz eu meu coração? Que fiz eu meu coração…   Bati no fundo do meu ser Intermitências alucinantes entre o viver e o morrer Dor que não apazigua, insinua Num rio que corre mas não desagua Mar feito de lágrimas incandescentes Minha alma feita de estrelas cadentes Sem luz, sem rumo delineado Chorando sob (...)

Ilusão

23.09.23, MM
Já não vejo o manto de estrelas que cobriam o céu Nem o por-do-sol que cobria o teu véu Desacreditei do amor, assim Folhas caídas num qualquer jardim Sem cor nem odor, carregadas de dor Da minha dor, do meu silêncio Mergulhado nas sombras do breu Que invadem a minha alma Nua, crua, sem essência Mera existência Perdida num qualquer lugar Sem versar o verbo amar   Já não vejo a primavera colorida Já não esvoaçam borboletas do meu estômago E eu sem âmago Vivo sem sentir o calor Ape (...)

Tenho que ir

09.08.23, MM
Tenho de ir Tenho de ir ao vazio da minha alma Onde encontro pequenas coisas feitas de nada Fragmentos de raiva que se esfumaçam na minha palma E sem alma,  Vou dizendo ao mundo que espalho a felicidade Mas essa, apenas mora na minha saudade   Fechas os olhos e imaginas o meu rosto Dói menos, penso eu que talvez seja assim Deitada numa cama sem os meus lençóis de cetim Fazendo amor sem sentir este meu frenesim De percorrer o teu corpo, descobrir os teus segredos E em cada beijo (...)

A sós

15.07.23, MM
Há uma linha ténue que me separa de ti De mim, de nós E eu só queria estar contigo, a sós Sob o feitiço da hipnotizante lua Bela, brilhante, incandescente Serena, eloquente Extasiada num espírito dormente Mas eu já só consigo imaginar-te nua De alma, pois claro Porquê do corpo, quero o desejo De me perder no teu beijo Que arde em mim Assim Luminescências que no sangue fervilham Secretos pensamentos alucinantes Carícias com efeito anestesiante Para a alma, pois claro Que no (...)

Vento do Norte

25.06.23, MM
Vou vivendo em fogo cruzado Chamas ardentes que teimam em queimar Pensamentos que alucinam no coração E eu sem noção Sigo caminhos desnorteados Tentando a absolvição alcançar Mas não me assiste a razão E eu vou vivendo em sentimentos ostentados Que não consigo controlar    Talvez o meu destino esteja trilhado Talvez o vento do norte esteja delineado   Caio, levanto e teimo em continuar No horizonte há sempre alguém com aquele olhar Fogosidades de quem me tenta intimidar Mas (...)

Contemplar

12.04.23, MM
Contemplo no horizonte a passagem do tempo solar Dia que amanhece, dia que desvanece E é só mais um dia em que nada acontece   Contemplo nos segredos da noite o manto estrelar Desígnios escritos num papiro que lentamente envelhece Pensamentos aleatórios numa alma que se entristece   Contemplo o lusco-fusco absorvendo as ondas do mar Vazios ocultos num coração que solitariamente padece Gritos mudos que num silêncio sepulcral prevalece   Contemplo tudo aquilo que não posso contemplar (...)

Pensamentos

06.11.22, MM
No que pensas quando bate a saudade E as luzes da cidade se apagam Onde os sonhos ganham as asas da liberdade E as almas em dormências se embriagam   No que pensas quando te envolves na tua almofada Segredos revelados de uma alma atormentada Que não dorme, chora Em silêncios afogados Ansiando a chegada da madrugada Que não chega, nem a alma aconchega Sentimentos aprisionados em calabouços zarpados Para alto mar, que ninguém pode chegar Inacessível ao que sente o coração Mas ele sente Ele não mente

Rosas...

06.10.22, MM
Hoje não me vieste visitar Ao meu mundo feito de poemas Retratos de um coração moribundo Feito de dramas e dilemas Eu e tu,  Personagens fictícias eternizadas em cinemas  Num enredo que nem chegou a começar  Foram apenas rosas dos teus campos a florir Que um dia vi partir Sem sentir o teu perfume   Degusto o néctar dos deuses na minha alma afogada Dormências, evidências, clarividências Reflexos perdidos das tuas ausências  Em mim, na minha alma desmoronada Aguardando a tua (...)