Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Ilusão

14.12.22, MM
Quando a noite cai feita de exaustão Corpo moribundo sem qualquer reação Olhos esbugalhados num semblante pesado Memórias fatigadas de mais um dia passado   Mergulho na minha cama vazia e imaculada Ausências de uma história nunca vivenciada  Corpo morno embrulhado em lençóis de flanela Mentiras iludidas nos contos da Cinderela E eu, só penso nela Aqui ao meu lado, deitada serenamente Olhar hipnotizante, sorriso estonteante Suave toque debaixo de um fogo ardente   Quando a (...)

Quem és tu

09.10.22, MM
Quem és tu que me enlouqueces Em paradoxos que faz a minha alma serenar Segredos ocultos que tão bem conheces Ou pareces conhecer Melodias escritas nas ondas do mar Cruzando o meu encantamento  Lugar aprazível que desejo permanecer  No teu colo, no teu abraço, no teu ser   Quem és tu que espalhas o perfume Sedução hipnótica de papoilas delirantes  Calmaria envolta em densa maresia Corpos à deriva em desejos estonteantes Que me fazem renascer Em ti Sentimentos puros que nunca senti  

Erotismos

16.09.22, MM
Será que me amas no silêncio da noite Por entre pensamentos divagantes Lusco-fusco no trilho dos amantes Onde cobres o teu corpo desnudado Com um majestoso manto feito de estrelas Suaves toques no teu segredo sagrado Onde até as princesas singelas  Cometem o seu íntimo pecado   Será que me amas no silêncio da noite Quando a lua ilumina o teu corpo desnudado Desejos proibidos ousando a emancipação Sentimentos aprisionados no coração Ansiando a libertação Procurando a satisfação Atr (...)

Ainda te espero

14.08.22, MM
Ainda te espero em todas as madrugadas Despertar-te num beijo de noites suadas Abraçar-te, acarinhar-te, fazer o tempo parar Provocar-te um sorriso só para te contemplar O quanto és linda Sensualidade pura que não finda   Ainda te espero em todas as madrugadas Brisa do vento no meu corpo sedento Do teu corpo querer tocar, acariciar Viajarmos pelo mundo sem sair do lugar E aí permanecermos, no teu colo, no meu abraço entrelaçar os dedos, fazer-mos um laço Corpos fundidos num suave (...)

Espera

14.04.22, MM
Regresso novamente aos silêncios da noite Onde sei que me esperas, debruçada, deleitada  Segredos perpetuados nos lençóis imaculados Carícias ternas embaladas num doce adormecer Em corpos ardentes fundidos num único ser De amor, de paixão Abraços apertados sentindo o coração Palpitações e arritmias de desejo Lábios secos querendo ser molhados  Pela eloquência ardente de um beijo   Regresso todas as noites ao mundo encantado São sonhos e mais sonhos no meu manto imaculado Si (...)

Oh lua, oh luar,

10.12.21, MM
  Sigo os caminhos da noite escura que me invade a alma Soltam-se em mim os desejos carnais que ouso desfrutar com calma Becos, dunas, mansões ou meras casas abandonadas Antros de prazer amordaçados por saias amarrotadas, molhadas Feitiços hipnóticos protagonizados pela cheia lua Eu aqui, desejo ardente, eloquente, de nos meus braços ter-te nua Desnudada, enfeitiçada, atiçada, mordendo o isco, arrebitada Corpos exaltados, excitados, roçando o clímax da tesão Fogo ardente (...)

Ânsias

08.09.21, MM
Embalo no choro amargo que me faz adormecer  Lágrimas derramadas numa cama de infelicidade Solidão, depressão, dor imensa no coração Desejos reprimidos que ouso fazer acontecer Embalados num sono profundo de ilusão E eu, apenas querendo acordar e viver Este amor que me avassala o coração   Embalo mais um pouco em soluços profundos Pregando aos deuses que ouçam as minhas preces Suplico ao universo para ao teu lado ter mais uns segundos E tu? apareces e desapareces E eu? fico na (...)

Perdido no teu abraço

19.06.21, MM
Caio desamparado Num céu que não tem limites Viajando num cavalo alado Por entre nuvens esfumaçado Feitas de estalactites e estalagmites Magmas e lavas ardentes  Névoas envolvidas em maresia Gritando palavras de heresia Numa queda carregada de harmonia De sonhos e fantasia Esvoaçando por entre luzes cintilantes Que brilhando a compasso  Invocam o templo dos amantes Em melodias de pássaros cantantes   E numa queda que parece não ter fim Envolvido em lençóis de cetim Caio (...)

Promessas quebradas

30.04.21, MM
  E nas promessas quebradas Que fizemos ao luar Houve um beijo que morreu Sem nunca nos teus lábios tocar   E se nas complexas linhas do tempo Fosse possível reescrever a história Tal como o tecelão define o momento Corta a linha, cria uma nova memória  Esculpida em campos floridos, e nós a correr Tal Adão e Eva no paraíso, sem juízo Percorrer o teu corpo, dar-te prazer Em viagens alucinantes, turbinantes   Se eu pudesse manipular a matéria Entrar em ti numa qualquer artéria (...)

Liberdade

30.01.21, MM
Desperto em mim silêncios à muito adormecidos Embalados na trágica melodia do quotidiano Correrias que acabam por afogar os sentidos Vagueando num qualquer centro urbano Hoje dei liberdade aos pensamentos da alma Doces memórias que me devolvem a calma Extravagâncias nos tempos modernos Mergulhados em longos invernos Aprisionados nos próprios infernos   Olhando o horizonte ouço a consciência Que me fala de lugares inimagináveis Águas cristalinas em luminescência Protegidas (...)