Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

Luar

22.01.22, MM
Lua que navegas no meu imaginário Íntimo de mim que percorreres com prazer Trazes à imagem vivências de um homem solitário Ousando um louco amor poder viver   Sigo as curvas do teu corpo dançante Embebido na tua silhueta hipnotizante Contornos corporais em caminhos de perdição Toques promíscuos carregados de paixão Eu aqui, fervilhando de desejo do teu ardente beijo Respiração contida num gemido ofegante Vibrações cósmicas numa dança delirante   Lua que me encaminhas e (...)

Encantos

20.01.22, MM
Que encantos teus os meus querem encantar Folhas que caem e eu hipnotizado no teu olhar Seduzido, rendido, apenas um menino perdido Que nos teus lábios desejava-se encontrar, beijar A ti, menina, mulher, princesa, rainha Embalado em ti nesta noite que se avizinha Eu, tu, apenas nós,  seduzidos pelo luar Cama feita de areia ouvindo as ondas do amar   Que encantos meus os teus poderão encantar Banho perfumado num corpo arrepiado Mesa para dois, cozinho eu, vamos jantar Uma pausa apenas (...)

Passageiros

13.01.22, MM
Somos passageiros de um tempo que não passa Prisioneiros no tempo que por nós já passou Perdidos na escrita da nossa própria farsa Chorando tristemente por quem um dia nos abandonou   Contemplamos impávidos e serenos as marcas do rosto Lágrimas tatuadas por quem um dia partiu, que não ficou Mágoas amealhadas num coração em desgosto Frio gélido em pleno mês de agosto E eu aqui, agarrado ao ínfimo que me restou   Somos passageiros de um tempo que não passa Saindo a (...)

2022

01.01.22, MM
Amanheceu amena esta manhã que hoje triunfará  Rompendo no passado a escuridão imaculada Prelúdios de que no céu a claridade vingará Na esperança renascida de uma nova rota traçada   Tempos novos, novos tempos, tempos para sonhar Sair da zona de conforto e com toda a fé arriscar Velhos hábitos com ordem para abandonar  Enterrar, esquecer, aprender, libertar, voltar a amar   Novo dia, novo ano, olhar em frente Olhar nos olhos de toda a gente Dar de nós, dar de mim, ser feliz (...)

Melancolias

19.12.21, MM
Aguardo apático a chegada dos primeiros raios de sol. Sei que romperão por entre as estreitas fissuras dos estores que mantêm o meu quarto escuro, frio, na melancolia das noites vazias de essência, de vida, do amor. Tudo me parece tão previsível, tal qual um qualquer guião escrito a conta-gotas, pausado, reflexo dos eternos dias passados em tons cinzentos. Aconchego-me a um canto da minha imensa cama. “para que tanto espaço?” questiono-me impacientemente enquanto volto a (...)

Oh lua, oh luar,

10.12.21, MM
  Sigo os caminhos da noite escura que me invade a alma Soltam-se em mim os desejos carnais que ouso desfrutar com calma Becos, dunas, mansões ou meras casas abandonadas Antros de prazer amordaçados por saias amarrotadas, molhadas Feitiços hipnóticos protagonizados pela cheia lua Eu aqui, desejo ardente, eloquente, de nos meus braços ter-te nua Desnudada, enfeitiçada, atiçada, mordendo o isco, arrebitada Corpos exaltados, excitados, roçando o clímax da tesão Fogo ardente (...)

Pertencer

05.12.21, MM
Pertenço ao mundo, à terra, à natureza Liberdade sonhada que defendo com firmeza Estradas imaginadas na sua infinita beleza Mapa de estrelas desenhadas com destreza   Pertenço às pessoas que me rodeiam Mulheres que por mim um dia se apaixonaram Corpos exaltados que na chama incendeiam Secretos desejos que no fogo se propagaram   Pertenço a quem ousa a minha alma tocar Amizade, amor, paixão, tudo vivido em liberdade Aldeias, vilas, cidades ou qualquer outro lugar E por onde (...)

E se esta história...

28.11.21, MM
  E se esta história não tivesse era uma vez Não fosse de fadas, bruxas, príncipes ou princesas Sem castelos encantados nem impenetráveis fortalezas Sem casamentos imperiais ou encontros banais   E se fosse uma história que fugisse à sensatez Sem qualquer pudor, carregada de nudez do corpo, da alma, do coração Escrita em corpos de poetas, tatuadas por poetisas Traços marcantes sem linhas indecisas Sussurrando ao ouvido estrofes de linda canção   E se esta história fosse (...)

Palavras soltas

22.11.21, MM
Quero sentir a poesia a correr-me nas veias Fervilhando emoções enredadas nas suas teias Palavras renascidas das cinzas e no fogo forjadas Voando livremente em quadras não cruzadas E que importa se não rimar Que interessa se na métrica não ficar Eu só quero escrever palavras que façam endoidecer até adormecer Saboreá-las nos antros recônditos do prazer  Que façam sonhar, acreditar Que me façam voltar a amar...   Quero sentir-me embebido por doces palavras Embriagado nas (...)