Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fragmentos de Miguel Moreno

recordações, paixões, aventuras de quem já viajou por todo o país... a vida é bela

E a vida passou...

12.09.21, MM
  Deixei passar as águas do rio sem nunca as abraçar Contemplei no infinito as estrelas sem nunca as desenhar Corri contra o vento sem nunca o atravessar E hoje, lembro-me das sementes que me esqueci de cultivar   Passou por mim o tempo a correr Desvaneceu-se no ar parte do meu ser Lembranças perdidas em cada amanhecer Palavras sentidas de uma boca a tremer   Tudo na vida eu vi passar Passagens do tempo que no meu corpo ficaram tatuadas Esquecimentos, alentos, sofrimentos Alegrias, (...)

Ânsias

08.09.21, MM
Embalo no choro amargo que me faz adormecer  Lágrimas derramadas numa cama de infelicidade Solidão, depressão, dor imensa no coração Desejos reprimidos que ouso fazer acontecer Embalados num sono profundo de ilusão E eu, apenas querendo acordar e viver Este amor que me avassala o coração   Embalo mais um pouco em soluços profundos Pregando aos deuses que ouçam as minhas preces Suplico ao universo para ao teu lado ter mais uns segundos E tu? apareces e desapareces E eu? fico na (...)

Penso em mim, penso em ti, penso em nós

02.09.21, MM
    Mergulho nas densas manhãs submersas Penso em mim, penso em ti, penso em nós Promessas trocadas em loucas conversas Toques na alma embalando o suave adormecer Lembranças eternizadas nos momentos a sós  E nós, ousando um amor proibido viver   Sinto saudades de mim, de ti, de nós  Secretos desejos vividos num mundo atroz  Perdidos na infinidade do tempo latejante Ora felicidade, ora agonia, ora saudade Sentimentos feridos num vento cortante Abafando o grito da minha voz   A (...)

E os ventos já não sopram...

27.08.21, MM
E os ventos já não sopram Barcos já não vão para o mar Velas já não são içadas Esmorece-se na maresia o olhar   E os ventos já não sopram No horizonte não há poeira no ar Silêncios dormentes que sufocam Almas que não conseguem acalmar   E os ventos já não sopram Já não fazem o balão voar Olhar triste de uma criança  Perdida em sonhos de encantar   E os ventos já não sopram Aprisionados em redemoinhos e furacões Tornados transformados em ilusões Deuses (...)

Jantar- Frango sentado (erotismo)

24.08.21, MM
  Tudo começou com um encontro ocasional naquele supermercado, onde outrora nos tinhas encontrado tantas outras vezes. Coincidências ou destino traçado, é algo que nunca iremos descobrir. No entanto, ali estavas tu, à minha frente, sorriso rasgado e de brilho nos olhos,  com um vestidinho curto de quem tinha vindo da praia ou talvez piscina, deixando-me automaticamente hipnotizado. Percebemos facilmente que ambos íamos comprar alguma coisa rápida para uma refeição solitária. (...)

Meu caminho...

23.08.21, MM
Caminho solitário sobre as pedras que me encantam Calçada entrelaçada que por mim foi chorada Lágrimas doces que os meus olhos decantam Melodias embaladas no reflexo do teu terno olhar Ânsias eloquentes, ardentes Aguardando aquele singelo momento dos teus lábios beijar   Assim passo os meus dias intermináveis Navegando sobre sonhos de mundos admiráveis Declamo por entre-linhas letras de poetas afamados Palavras malditas escritas em papiros enfeitiçados Dores austeras em (...)

Amor ou amizade

16.08.21, MM
Por vezes a amizade vira amor Por vezes o amor vira amizade Como distinguir um e outro  Se ambos vivem da saudade?   Talvez as borboletas já não esvoacem E o frio na barriga desapareça Talvez os corações no ar se esfumacem Num amor condenado à nascença   Linha ténue e mal delineada Que no coração causa confusão Sentimentos que vivem na ansiedade Temendo acabar na solidão Às mãos da pessoa amada   Amor, amizade, dor, saudade Quem ama sente, dizem os eruditos Mas sente o quê? (...)

Degustar

08.08.21, MM
Embriago-me no meu copo de vinho E na coragem tento fazer-te o fadinho Convenci as nuvens a deixar resplandecer o luar Implorei à maresia que te deixasse ver o mar E sob a luz das estrelas declamei o meu amor Em poemas versados no teu glamour Dedicados a ti, minha princesa Reflexo da tua essência e da tua beleza   Desfruto mais um pouco deste néctar da vida Que aos deuses foi sorrateiramente surrupiado E mesmo que fique por ti embriagado, hipnotizado Que a nossa relação seja proibida Viaja (...)

Tela imaginada

05.08.21, MM
  Passos que dou no caminho do infinito Seguindo as entranhas do meu instinto Observo pálido e sereno a constante da vida Ora apaixonada ora vivida de forma sentida   Sigo a luz que trespassa o meu vago olhar Perdido nas horas que teimam em recuar Mundo ao contrário num tempo travesso Destino meu que nas estrelas professo   Vagueio entre a amarga sorte e o doce azar Mergulhado entre o fruto proibido e o desejo de amar Purpurinas, brilhantinas, dançantes bailarinas Enclausuradas numa (...)

O banho

29.07.21, MM
  Chego a casa quase moribundo, de semblante pesado, reflexo de um dia cansativo. O calor abrasador de fim de tarde sufoca o todo o meu corpo, todo o meu ser. Sinto uma necessidade urgente de sentir a água a cair em cima do meu corpo desnudado. Abro a torneira do chuveiro como quem abre a fonte da vida. Vou despindo a roupa colada ao corpo como quem despe a alma, peça a peça, lentamente, ao som harmonioso da água a cair, a chamar por mim, desejando percorrer o meu corpo suado, (...)